Pesquisar este blog

sexta-feira, 28 de junho de 2013

Porquê sou contra

 
Sou absolutamente contra plebiscito e/ou referendo. Me dói, mas concordo com as lideranças políticas que afirmam que o Congresso tem a competência e obrigação legal e moral de fazer as reformas. É necessário que a população que vai às ruas na onda e meio perdida, sem dar-se ao trabalho de analisar a história e a legislação, coloque pressão para que ajam. 

Fomos às urnas no referendo do desarmamento. Mais de 60% da população votou "não" e o que fez o governo? Baixou o desarmamento por decreto. Isso diminuiu a violência? Não, apenas aumentou, e muito. 

Por plebiscitos El Loco Chávez eternizou-se no governo venezuelano, hoje naufragando na inflação de dois dígitos por mês. Pior, deixou para Maduro a mesma condição de tornar-se o deus-sol caribenho.E esta tem sido uma tática para dar legitimidade ao ilegal, expediente bastante utilizado por governos autocráticos que esperam, com os resultados de referendos e plebiscitos, darem uma vestimenta de apoio popular naquilo que foi espalhado como salvação da lavoura através de propagandas milionárias ou força bruta.

Eleições não são sinônimo de democracia, isso todo cidadão minimamente informado já sabe. União Soviética, China comunista, Irã teocrático, Iraque husseniano e republiquetas bolivarianas sempre fizeram eleições e são o que são, a antítese da democracia.

No texto do plebiscito/referendo, essa politicanalha que não quer largar o osso colocaria apenas questões que lhe interessa, sabendo que o grosso do populacho votaria sim ou não sem conhecer o que estaria votando. E para convencer os eleitores a votarem no que gostaria, apelaria para a propaganda, enchendo de atores e subcelebridades “globais” seus comerciais com apelos populistas e mentiras sem fundo. Camila Pitanga, Regina Casé, José de Abreu e mais uma meia dúzia de venais fariam fortuna às custas das desgraças populares. 

Se mesmo assim as vontades dessas lideranças políticas fossem rejeitadas, nada impediria que a manutenção do que há continuasse por decretos ou arranjos no Congresso com conivência do governo federal e vice-versa. 

A saída seria a vigilância constante e exigência popular (entenda-se por popular a cobrança dos 10 % que leem jornais e entendem o que entrava o crescimento e a democracia do país) nas votações de ponto por ponto, lei por lei. É uma atuação longa e demorada, mas que pode trazer resultados muito melhores a longo prazo do que um pacotão com todas as "salvações da pátria", algo que todo brasileiro já deveria ter aprendido. 

©Marcos Pontes






15 comentários:

  1. eu continuo sendo contra a maquina..mas sera que se eu fizesse parte da maquina eu não estaria do lado de lá? e por incrivel que pareça ninguem para essa maquina que esta a tanto tempo nas redias dessa nação...as vezes troca-se algumas peças dessa engenhoca mas sua missão é a mesma, interesses proprios quando que sua função é defender os interesses da nação e isso é errado e eu sou contra o errado. acho que quem apoia ladrão se torna ladão tambem. tantos como genoino que desviou bilhões e não foi preso esse cidadão que vive na margem da sociedade assim dita e não o povão que rouba uma margarina no supermercado para matar a fome e não se esqueça que se existe marginais na classe baixa são produzidos por um mal governo e essa mesma marginalidade pode se enfurecer e matar seus pais ou genitores pois não se esqueça que o proprio governo federal pode estar escrevendo seu trite final pois ninguem segura a massa e isso é só o inicio, muitas mortes vão acontecer é guerra meu irmão!!!!

    ResponderExcluir
  2. guerra e guerra. Vence Brasil - 30 minutos por dia de oração pelo Brasil. Batalha a ser vencida no voto e na oração. E na observação lúcida diante dos acontecimentos.#nãoplebiscito #nãoreferendo #vencebrasil

    ResponderExcluir
  3. Totalmente de acordo que o referendo ou plebiscito são formas apressadas, inapropriadas que flertam com as ditaduras esquerdistas.
    Infelizmente também não acredito que boas propostas como o voto distrital seriam aprovadas pelo congresso, o que é uma pena, apesar que não há nenhuma garantia que elas seriam aprovadas no voto popular. Hora de pensar em uma nova estratégia.

    ResponderExcluir
  4. Zinha Bergamin (@Lelezinha_09)28 de junho de 2013 13:51

    Concordo com vc, caro amigo!
    Não gosto de referendo nem de plebiscito,pois, da maneira como for colocado,pode-se resultar num perigo tremendo!
    Acho que devemos então "pôr a boca no trombone" para tentar evitar essa arapuca!
    Um abç

    ResponderExcluir
  5. Colegas.
    ADufrgs-Sindical teve eleições, e Conselho de Representantes da ADufrgs-Sindical, formado pelas dezenas de unidades que compõe a UFRGS, ademais da IPFR e da UFCSPA, indicou-me para ser membro da Junta Eleitoral. Na última semana, isso exigiu muito tempo e energia, especialmente ontem, dia das eleições, quando as demandas que resolvemos chega perto de uma centena.
    A sede ainda é em uma pacta via da Cidade Baixa, entre a Av. João Pessoa e Lima e Silva, na Rua Otávio Correa e, ontem à noite, o expediente estava previsto até a meia noite, devido às eleições cuja votação se estendia até as 22 horas e eram acompanhadas pelos candidatos das duas chapas, diretoria e funcionários do Sindicato.
    Meia hora antes do encerramento da votação, ali passou a horda, quebrando tudo, inclusive os carros da Presidente e do Vice da ADufrgs-Sindical e de um dos funcionários, e todos os demais veículos que estavam estacionados e viraram os contêineres de lixo. Havia quatro seguranças da Rudder, os quais nada puderam fazer, exceto chorar, devido ao gás lacrimogênio e as balas de borracha que a polícia atirava em direção aos manifestantes embora os baderneiros estivessem passando entre as pessoas que estavam trabalhando!
    Ainda assim, não consigo ficar contra o movimento popular, porque a revolta tem motivos, seríssimos, como registrei em
    Sobre os protestos contra o transporte caro e DESUMANO! "...pessoas horas espremidas como em lata de sardinha..." leia mais em http://padilla-luiz.blogspot.com.br/2013/06/transporte-caro-e-desumano.html

    Divirta-se com Marcelo Tas e Pedro Bial mostrando como a opinião pública tem sido manipulada!

    Assista rápido este vídeo, antes que retirem do ar o quadro do Fantástico o qual a Direção não deixou veicularem na TV: http://padilla-luiz.blogspot.com.br/2013/06/espertos-agindo-como-tolos.html

    ResponderExcluir
  6. No capitalismo selvagem e principalmente em um país onde os interesses de alguns são sempre tendenciosos para produção de lucros próprios, não vejo nenhuma saída seja ela por plebiscito e/ou referendo. O povo sempre será uma massa de manobras seja ele defendido por "políticos" ou se aventurando em passeatas anarquistas. Se o brasileiro não valorizar como ser humano, não investindo pesado em uma educação de qualidade isso aqui será para sempre berço esplêndido para uns poucos e inferno para a maioria. Acorda Brasil! E reforma politica já...

    ResponderExcluir
  7. Enquanto o povo do Brasil inteiro estava nas ruas protestando contra os corruPTos e a PEC37, o Poste Dilma assinava a Lei 12.630, a "MiniPEC37" na calada da noite, publicada em 21 de junho de 2013. Depois, a Imunda foi falar em rede eleitoreira nacional prometendo mundos e fundos (e pensando em aplicar novos colpes como a Constituinte Bolivariana, a censura "marco regulatório" da imprensa, as leis de exceção e a ditadura plebiscitária). O congresso comprado com Mensalão cancelou em peso a PEC37 porque não precisava mais. A Dilma já havia assinado lei similar.
    Enquanto a corja do Lula continuar no poder, o Brasil será refém da corrupção e da criminalidade.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Amigo, esta lei institui o DIA DO REGGAE. Informe o nº correto.

      Excluir
  8. Caro amigo Marco

    A Oposição Venezuelana absteve-se de participar das Eleições e o que se viu foi a eleição de um Congresso 100% Chavista, que aprovou dar ao Presidente os Poderes Ilimitados, que ele jamais sonhou que conseguiria. Na realidade foi a decisão da Oposição, que permitiu isso.
    Temos que acreditar, que toda essa movimentação das ruas atuais representem um "forte desejo" de mudança e que no caso das regras plesbicitárias serem INADEQUADAS, serão denunciadas e que caso não sejam modificadas, O PAU VAI QUEBRAR.
    Além do mais é uma excelente oportunidade de que "eles mostrem a sua real face" e só desta maneira poderemos combater. Não se combatem SUPOSIÇÕES.
    Se essa REAÇÃO não acontecer é porque ainda NÃO É CHEGADO O TEMPO DAS REFORMAS.
    Sou favorável ao PLEBISCITO.

    ResponderExcluir
  9. Por princípio: TUDO O QUE PARTE DO PT, SOU CONTRA. Acabei de ver na Globo, ele cantando de galo e dando os principais aspectos do processo. Creio que todo brasileiro que se dispôs ir às ruas já sabe que esses que estão aí não são dignos da nossa confiança, pensam só NAQUILO (perpetuação no poder). Abrirmos a boca, esclarecer a todos que por nós
    passam e... enfim, fazermos TUDO para que essa palhaçada saia pelos fundos dos Palácios. CHEGA QUEREMOS O BRASIL DE VOLTA PARA OS BRASILEIROS.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Nunca agirei assim. Sou contra ou a favor de uma proposta pelo seu conteúdo, nunca por causa de quem a propôs. Isto é o que se chama personalização da política: o que vale é a pessoa e não a ação? O inverso do que deve ser.

      Excluir
  10. Concordo totalmente, e mais, ainda temos o fantasma das 'urnas eletrônicas", as quais são totalmente inseguras e violáveis, dito por "n" especialistas em informática. E até leigamente falando, não é muito difícil se imaginar que aquilo é em síntese um computador, primário, mas um computador, e assim sendo, só faz o que se manda, ou se programa. E sendo assim, tem mais uma, ela não SE totaliza, apenas informa o total de votos enviados ! Se isso acontece, então a coisa fica no mínimo estranho. Vários vídeos no youtube comprovam a facilidade de se "programar" uma urna para totalizar dentro do universo de eleitores daquela seção "X", que ali teria um percentual "Y" de votos para uma das opções selecionadas e/ou estabelecidas.
    Para um governo que se presa pela mentira, pelo "jeitinho contábil", pelo acobertamento da corrupção em todos os níveis, preferencialmente os mais altos, não se pode imaginar correção em qualquer situação que ele esteja envolvido.
    Motivos para considerar sempre o lado mais perverso das possibilidades.
    Será um gasto astronômico para todos, pois somos nós que pagaremos a conta dessa festa, e sem trazer qualquer resultado útil para as reivindicações pedidas nas ruas do país.
    É de pasmar tal comportamento já que temos um congresso apto para tratar dessas questões, e ter um feed back quase imediato dessas mudanças. Perda de tempo, dinheiro e perda de vergonha na cara, pois não foi isso que pedimos !

    ResponderExcluir
  11. Agora mais esta. Além de votarmos, teremos que indicar para os ditos eleitos, o que devem fazer, trabalhar, votar. Trabalhem cambada!

    ResponderExcluir

Para evitar ofensas gratuitas a mim e a outrem e spams, os comentários estão sendo moderados. Os aprovados logo estarão exibidos. Obrigado por ter dado seu pitaco.